Oca do Cacique Beira-Mar -Templo Escola de Umbanda
"A missão não envaidece, responsabiliza" (Cacique Beira-Mar)
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios FotosFotos PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas LinksLinks
Textos

A LINHA VEGETAL OU DO CONHECIMENTO: OXÓSSI


 

O SIGNIFICADO DO NOME OXÓSSI

O nome Oxóssi é a junção de dois termos “Oxó”, que significa o caçador, “Ossi”, que significa noturno, logo, a palavra Oxóssi significa “o caçador noturno”.

CONTEXTO AFRICANO DE OXÓSSI

Em síntese, e de acordo com a cultura nagô-yorubá, Oxóssi é filho de Oxalá e Iemanjá, irmão de Ogum e Exu. Também conhecido como Odé. Na Àfrica, é o orixá responsável pela caça. Tradicionalmente, é associado à lua, por ser a noite o seu melhor momento para caçar.

Assim como seus irmãos, Exu e Ogum, é um guerreiro solitário; não lidera ou comanda exércitos como Ogum, mas luta pela sobrevivência da tribo, pois dele depende o sustento. A responsabilidade de Oxóssi enquanto orixá é garantir a vida dos animais, que somente são sacrificados por absoluta necessidade e alimentação.

O culto a Oxóssi no Brasil é bastante difundido, mas pouco lembrado na Nigéria, o que se deve ao fato de Oxóssi ter sido cultuado basicamente na cidade de Keto (terra dos panos vermelhos). No século XIX, devido ao tráfico negreiro, a cidade foi praticamente destruída pelos saques das tropas do rei de Daomé. Os filhos consagrados a Oxóssi foram vendidos como escravos no Brasil, Antilhas e Cuba.

Como dito acima, no segundo parágrafo, Oxóssi é o orixá da caça, é o caçador dos céus, é a divindade da fartura, da abundância e da prosperidade. Como todo orixá está no dia a dia dos seres vivos, convivendo intimamente com todos nós. Dentro do culto ele e o caçador do axé, aquele que busca as coisas boas para dentro da casa de santo. Oxóssi é o arqueiro sagrado de Olorum, nosso Deus Supremo.
 
QUALIDADES DE OXÓSSI

Iboalamu - É velho e caçador. Come nas águas mais profundas. Conta um mito que Ybualamo é o verdadeiro pai de Logun Edé. Apaixonado por Oxum e vendo-a no fundo do rio, ele atirou-se nas águas mais profundas em busca do seu amor.

Sua vestimenta é azul celeste, como suas contas. Come com Omolu Azoani. Usa um capacete feito de palha da costa e um saiote de palha.

Inle - É o filho querido de Oxoguian e Yemonja. Veste-se de branco em homenagem a seu pai. Usa chapéu com plumas brancas e azuis claro. É tão amado que Oxoguian usa em suas contas um azul claro de seu filho. Come com seu pai e sua mãe (todos os bichos) e tem fundamento com Ogunjá.

Dana Dana - Tem fundamento com Exu, Ossain, Oxumarê e Oya. É ele o Orixá que entra na mata da morte e sai sem temer Egun e a própria morte. Veste azul claro.

Akuereran - Tem fundamento com Oxumarê e Ossaim. Muitas de suas comidas são oferecidas cruas. Ele é o dono da fartura. Ele mora nas profundezas das matas. Veste-se de azul claro e tiras vermelhas. Suas contas são azul claro. Seus bichos são: pavão, papagaio e arara, tiram-se as penas e se solta o bicho.

Otyn - Guerreiro e muito parecido com seu irmão Ogum, vive na companhia dele, caçando e lutando. É muito manhoso e não tem caráter fácil. Muito valente este sempre pronto a sacar sua arma quando provocado. Não leva desaforos e castiga seus filhos quando desobedecido. Usa azul claro e o vermelho, conta azul, leva capangas, roupas de couro de leopardo e bode. Tem que se dar comida a Ogum.

Mutalambo - Tem fundamento com Exu.

Gongobila - É um Oxóssi jovem. Tem fundamento com Oxalá e Oxum.

Odé Koifé - Não se faz no Brasil e na África, pois, muitos de seus fundamentos estão extintos. Seus eleitos ficam um ano recolhidos, tomando todos os dias o banho das folhas. Veste vermelho, leva na mão uma espada e uma lança. Come com Ossain e vive muito escondido dentro das matas, sozinho. Suas contas são azuis claras, usa capangas e braceletes. Usa um capacete que lhe cobre todo o rosto. Assenta-se Koifé e faz-se Ybo, Ynlé ou Oxum Karé; trinta dias após, faz-se toda a matança.

Arolé - Propicia a caça abundante. É invocado no Padé. É um dos mais belos tipos de Oxóssi. Um verdadeiro rei de Ketu. As pessoas dele são muito antipáticas. Jovem e romântico, gosta de namorar, vive mirando-se nas águas, apreciando sua beleza. Come com Ogum e Oxóssi. Veste azul claro, aprecia a carne de veado e é ágil na arte de caçar.

Odé Kare - É ligado as águas e a Oxum, porém os dois não se dão bem, pois, exercem as mesmas forças e funções. Come com Oxum e Oxalá. Usa azul e um Banté dourado. Gosta de pentear-se, de perfume e de acarajé. Bom caçador mora sempre perto das fontes.

Wawa - Vem da origem dos Orixás caçadores. Veste-se de azul e branco, usa arco e flecha e os chifres do touro selvagem. Come com Oxalá e Xangô, pois, dizem que ele fez sua morada debaixo da gameleira. Está extinto, assenta-se ele e faz-se Airá ou Oxum Karé.

Walé - É velho e usa contas azuis escuro. É considerado como rei na África, pois, seu culto é ligado, diretamente, a pantera. É muito severo, austero, solteirão e não gosta das mulheres, pois, as acha chatas, falam demais, são vaidosas e fracas. Come com Exu e Ogun.

Oseewe ou Ygbo - É o senhor da floresta, ligado as folhas e a Ossain, com quem vive nas matas. Veste azul claro e usa capacete quase tapando o seu rosto.

Erinlé - É também um outro Oxóssi, que, a exemplo de Inlè, cujo culto também caiu no obscurantismo, acabando por tornar-se “qualidade de Oxóssi”.

Odé Tokueran - O caçador é quem mata a caça, diz-se da atuação do caçador.

Otokan Sósó – Embora muitas vezes seja citado como uma qualidade, não é qualidade, é um Oriki que significa o caçador que só tem uma flecha . Ele não precisa de mais nenhuma flecha porque jamais erra o alvo. 

Compartilhei acima as qualidades de Oxóssi (de variam de nação para nação: Ketu, Jeje, etc) no Candomblé apenas para efeito de conhecimento, pois, na Umbanda que praticamos, não denominamos de qualidades as diversas maneiras como Oxóssi é conhecido e se manifesta, antes temos o entendimento de que Oxóssi atua e se manifesta nos campos de outros orixás. Logo, antes de perguntarmos qual a qualidade do seu Oxóssi, perguntamos: “qual o campo de atuação do seu Oxóssi?”, que, tendo como base as sete linhas de Umbanda, com 14 (catorze) orixás polarizados em pares de 7 (sete) orixás, podem ser 13 (treze) campos de atuação, compreendido? Esses campos são campos de outros orixás, e Oxóssi atua neles. Caso não entenda essa parte, leia texto “As Sete Linhas de Umbanda” postado aqui em nosso site.
 
ALGUMAS LENDAS AFRICANAS SOBRE OXÓSSI

O Caçador de Uma Única Flecha


A cada ano, após a colheita, o rei de Ijexá saudava a abundância dos alimentos com uma festa, oferecendo inhame, milho e coco a população.

Conta a lenda que, em certa ocasião, o rei decidiu comemorar com sua família e seus súditos, e apenas as sacerdotisas não foram convidadas.

Furiosas com a desconsideração, enviaram à festa um pássaro gigante que pousou no teto do palácio, encobrindo-o e impedindo que a cerimônia fosse realizada.

O rei sabia que só podia ser obra das velhas anciãs e foi orientado a chamar os melhores caçadores da cidade.

O primeiro tinha vinte flechas. Ele as lançou, mas nenhuma acertou o grande pássaro.

O rei se aborreceu e mandou embora.

Um segundo caçador se apresentou e lançou quarenta flechas sem sucesso, e o rei mandou prendê-lo.

Bem próximo do palácio, vivia Oxóssi, um jovem que costumava caçar à noite, antes do sol nascer, usando apenas uma flecha vermelha.

O rei mandou chama-lo para dizimar o pássaro. Consciente da punição imposta aos outros caçadores, a mãe de Oxóssi, temendo pela vida do filho, consultou um babalaô. O Opelé Ifá afirmou que, se fosse feita uma oferenda para as sacerdotisas, ele teria sucesso.

A Oferenda consistia em doar uma galinha. No exato momento que isso fosse feito, Oxóssi deveria atirar uma única flecha.

E assim o fez, acertando o pássaro bem no peito. O rei, agradecido pelo feito, concedeu ao caçador a metade da sua riqueza, além da posse da cidade de Keto, terra dos panos vermelhos, onde Oxóssi governou até sua morte, tornando-se depois um orixá.
 
Como Oxóssi Virou Orixá

Odé era um grande caçador. Certo dia, ele saiu para caçar sem antes consultar o oráculo Ifá nem cumprir os ritos necessários. Depois de algum tempo andando na floresta, encontrou uma serpente: era Oxumaré em sua forma terrestre. A cobra falou que Odé não devia matá-la; mas ele não se importou, matou-a, cortou-a em pedaços e levou para casa, onde a cozinhou e comeu; depois foi dormir. No outro dia, sua esposa Oxum encontrou-o morto, com um rastro de cobra saindo de seu corpo e indo para a mata. Oxum tanto se lamentou e chorou, que Ifá o fez renascer como Orixá, com o nome de Oxóssi.
 
O Caçador do Povo

Em tempos distantes, Odùdùwa, Rei de Ifé, diante do seu Palácio Real, chefiava o seu povo na festa da colheita dos inhames. Naquele ano a colheita havia sido farta, e todos em homenagem, deram uma grande festa comemorando o acontecido, comendo inhame e bebendo vinho de palma em grande fartura. De repente, um grande pássaro, pousou sobre o Palácio, lançando os seus gritos malignos, e lançando farpas de fogo, com intenção de destruir tudo que por ali existia, pelo fato de não terem oferecido uma parte da colheita as feiticeiras Ìyamì Òsóróngà. Todos se encheram de pavor, prevendo desgraças e catástrofes. O Rei então mandou buscar Osotadotá, o caçador das 50 flechas, em Ilarê, que, arrogante e cheio de si, errou todas as suas investidas, desperdiçando suas 50 flechas. Chamou desta vez, das terras de Moré, Osotogi, com suas 40 flechas. Embriagado, o guerreiro também desperdiçou todas suas investidas contra o grande pássaro. Ainda foi, convidado para grande façanha de matar o pássaro, das distantes terras de Idô, Osotogum, o guardião das 20 flechas. Fanfarrão, apesar da sua grande fama e destreza, atirou em vão 20 flechas, contra o pássaro encantado e nada aconteceu. Por fim, todos já sem esperança, resolveram convocar da cidade de Ireman, Òsotokànsosó, caçador de apenas uma flecha. Sua mãe, sabia que as èlèye viviam em cólera, e nada poderia ser feito para apaziguar sua fúria a não ser uma oferenda, uma vez que três dos melhores caçadores falharam em suas tentativas. Ela foi consultar Ifá para Òsotokànsosó. Os Babalaôs disseram para ela preparar oferendas com ekùjébú (grão muito duro), também um frango òpìpì (frango com as plumas crespas), èkó (massa de milho envolta em folhas de bananeira), seis kauris (búzios). A mãe de Òsotokànsosó fez então assim, pediram ainda que, oferecesse colocando sobre o peito de um pássaro sacrificado em intenção e que oferecesse em uma estrada, e durante a oferenda recitasse o seguinte: "Que o peito da ave receba esta oferenda". Neste exato momento, o seu filho disparava sua única flecha em direção ao pássaro, esse abriu sua guarda recebendo a oferenda ofertada pela mãe do caçador, recebendo também a flecha certeira e mortal de Òsotokànsosó. Todos após tal ato, começaram a dançar e gritar de alegria: "Oxossi! Oxossi!" (caçador do povo). A partir desse dia todos conheceram o maior guerreiro de todas as terras, foi referenciado com honras e carrega seu título até hoje. Oxóssi.
 
OXÓSSI NA UMBANDA SAGRADA: O TRONO MASCULINO VEGETAL OU DO CONHECIMENTO

Na Umbanda que praticamos, a Umbanda Sagrada, Oxóssi é a divindade responsável pela emanação do conhecimento do supremo criador Olorum no Universo, de forma passiva, ou seja, constantemente, sem forçar os seres a adquirirem o conhecimento por meio do raciocínio, da lógica, da mente, da razão. Oxóssi é o Pai do Conhecimento.

Oxóssi faz par com Obá na terceira linha de Umbanda, a linha Vegetal ou do Conhecimento, e a missão de Oxóssi, assim como dos demais orixás, é contribuir para a evolução dos seres nos mais diversos planos, dimensões e realidades, inclusive na realidade humana, onde estamos. Oxóssi ajuda nesta evolução na medida que desperta os seres humanos para o seu lado racional, por meio do conhecimento e do saber, livrando o ser humano de suas paixões, impulsos, emoções desenfreadas e deturpadas que o arrastam para o seu abismo.

No que diz respeito a natureza, Oxóssi domina sobre as matas e as florestas; no que diz respeito a vida social, Oxóssi domina sobre as estruturas que levam a expansão do saber e ao conhecimento; no que se refere a estrutura física do corpo humano, Oxóssi domina sobre nossa mente, que pensa, raciocina, e se expande quando encontra o conhecimento, especialmente o autoconhecimento, tão essencial e necessário ao ser humano, na busca de uma vida mais equilibrada neste plano.

Oxóssi é simboliza a força, o vigor, a coragem, muito visto na Linha dos Caboclos, nas giras de Umbanda nos mais diversos terreiros ao redor deste Brasil e do Mundo.
 
ARQUÉTIPO DO FILHOS DE OXÓSSI

No Positivo:

 
Extrovertidos
Comunicativos
Lutadores
Corajosos
Verdadeiros
Amantes da natureza
Alegres
Honestos
Rápidos, Ligeiros
Espertos
Hospitaleiros
Generosos
Geralmente, são calmos

 
No Negativo:
 
Ansiosos
Indecisos
Nervosos
Agressivos
Inquietos
Impacientes
Linguarudos
Problemas com hierarquia
Auto isolamento
 
Obs. A Depender da posição em que se tenha Oxóssi (de Frente, como Adjuntó ou Ancestral), as qualidades de Oxóssi se manifestarão em intensidades e graus diferentes.
 
INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE OXÓSSI

Saudação: O Kiarô! ( Significa “bom dia”, em Yorubá)

Cor: Azul Claro (e outras variações, no Candomblé) e Verde, na Umbanda.

Elemento: Vegetal

Ponto de Força: Matas

Sincretismo: Geralmente, São Sebastião e Santo Expedito.

Data Comemorativa: 20 de Janeiro (em nossa Casa)

Dia da Semana:  Quinta-feira (na nossa visão)

Instrumento: Ofá (Arco e Flecha)

 
A NECESSIDADE DE UM (A) FILHO (A) DE OXÓSSI

Desenvolver sua racionalidade por meio do raciocínio e do conhecimento, visando suplantar as paixões, impulsos e emocional negativo que costuma assolar os filhos de Oxóssi e os impedir de avançarem em vários aspectos de sua vida.


Dúvidas e Perguntas: 
E-mail: jaderoliveira.j@hotmail.com
 
 
 
 
 

 
Oca do Cacique Beira Mar Templo Escola de Umbanda
Enviado por Oca do Cacique Beira Mar Templo Escola de Umbanda em 14/05/2017
Alterado em 28/05/2017

Música: Oração à Oxossi - Moisés Bara Lanã

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

"Deus não só faz  Justiça, Deus é a Própria Justiça". (Baiano Zé do Coco)





"A melhor firmeza é a do coração". (Caboclo Beira Mar)





"Quando a vida está ruim, o Rosário é um simbolo que nos indica como buscar ajuda" (Pai Antonio de Angola).





"Quem vive com Ogum, Ogum não abandona nem após morte". (Marinheiro Martim Pescador).






"Não são os encarnados, filhos de santo, falhos, pequenos, errantes por natureza que dirão se uma entidade é ou não de luz, mas a própria entidade com suas obras de caridade." (Baiano Zé do Coco)