Oca do Cacique Beira-Mar -Templo Escola de Umbanda
"A missão não envaidece, responsabiliza" (Cacique Beira-Mar)
CapaCapa TextosTextos ÁudiosÁudios PerfilPerfil Livro de VisitasLivro de Visitas LinksLinks
Textos


LINHA EÓLICA OU DA LEI: OGUM

 
SIGNIFICADO DO NOME OGUM
 
O termo “Gun” significa “Guerra”.
 
CONTEXTO AFRICANO DE OGUM
 
Filho mais velho de Odudua, divindade masculina nagô e fundador da cidade de Ifé – considerada a capital religiosa dos nagôs, Ogum é o orixá da Guerra, divindade que usa a espada e forja o ferro, transformando-o em instrumento de luta.

É o patrono da força produtiva que trabalha a natureza. Considerado o protetor dos militares, ferreiros, agricultores ou os que trabalham com ferro, além dos combatentes em geral.

Irmão de Exu, tem muito em comum com este. Além de um caráter instável e arrebatador, Ogum também tem ascendência sobre os caminhos.

Os lugares consagrados a Ogum ficam ao ar livre, na entrada da Casa ou Terreiro.

Para proteger a casa de um invasor, usa-se uma pedra em forma de bigorna, como uma espécie de amuleto do orixá da guerra.

A proteção de Ogum é representada por franjas desfiadas de palmeira ou dendezeiro, chamadas mariwo e que, penduradas nas portas ou janelas, evitam as más influências, protegendo contra pessoas indesejáveis.

O culto a Ogum é bastante difundido no Brasil, em Cuba e  na Nigéria.

Sem sua permissão e proteção, nenhuma atividade útil, tanto no espaço urbano como no campo, pode ser aproveitada.

Deve ser invocado logo após Exu ser despachado, abrindo caminho para os outros orixás.

É representado por sete instrumentos de ferro pendurados em uma haste de metal, tanto no brasil quando nos países africanos.
 
QUALIDADES OU CAMPO DE ATUAÇÃO DE OGUM

No culto de nação e nos candomblés, é costume relacionar as qualidades ou caminhos de Ogum como sendo, de modo geral e em síntese:

Ogum Meje ou Meje Meje – É o mais velho de todos, a raiz dos outros, Ogum completo, velho solteirão rabujento. 

Ogum Já - é um Ogum, como indica seu nome, particularmente combativo. Amigo do cachorro que lhe é consagrado é como ele um protetor seguro. Mas tem temperamento rabugento, solitário, veste-se de verde escuro e usa contas verdes. Dizem que acompanha Ogúnté. 


Ogum Ajaká – é o "verdadeiro Ogum guerreiro", sanguinário, que em princípio se veste de vermelho. Teria sido rei de Òyó e irmão de Xangó. Ajaká é um tipo particularmente agressivo de Ogum, um militar acostumado a dar ordens e a ser obedecido, seco e voluntarioso, irascível e prepotente.
 
Ogum Xoroke – usa contas de um azul escuro que se aproxima do roxo do colar de Exu, seu irmão e amigo íntimo. "Xoroke é um Ogum que tende a confundir-se com Exu, agitado, instável, suscetível e manhoso. 

Ogum Meme - veste-se igualmente de verde e usa contas verdes, como Ogunjá, mas de uma tonalidade diferente. 

Ogum Wori - (Warri, ou wori: Ioruba) – é um Ogum perigoso, dado da feitiçaria, ligado ao Mariwo, aos antepassados.; Tem temperamento difícil, suscetível, autoritário o espírito dogmático.

Ogum Lebede (Alagbede) – é o Ogum dos ferreiros, marido de Iemanjá Ogunté e pai de Ogum Akoro. Representam um tipo mais velho de Ogum, trabalhadores conscienciosos, severos, que “não brincam em serviço”, ciente de seus deveres como de seus direitos, exigente e rabugento. 

Ogum Akoró - é o irmão de Oxóssi, ligado a floresta, qualidade benéfica de Ogum invocada no Padê. Filho de Ogunté, Akoró é um tipo de Ogum jovem e dinâmico, entusiasta, era prendedor, hei-o de iniciativa, protetor seguro, amigo fiel, e muito ligado a mãe. 


Ogum Oniré - é o título do filho do Ogum que reinou sobre Iré, o dono de Iré, primeiro filho de Oduduwa. Oniré é um Ogum antigo que desapareceu debaixo da terra. Usa também contas verdes. Guerreiro impulsivo é o cortador de cabeças, ligado à morte e aos antepassados; orgulhoso, muito impaciente, arrebatado, não pensa antes de agir, mas acalma-se rapidamente. 

Ogum Olode - é o Ogum dos caçadores, originário de Ketu. Não come galo por ser um animal doméstico. Amigo do mato, dos animais, conhecedor dos caminhos, e é um guia seguro. Seu temperamento solitário assemelha ao de Oxóssi. 

Ogum Popo – seria o nome de Ogum quando foi a terra dos jeje, é um tipo fanático de Ogum.
 
Na Umbanda que praticamos não denominamos de qualidade as diversas maneiras com as quais o orixá Ogum se manifesta, mas sim de campos de atuação, que podem ser 13 (treze) campos de atuação, uma vez que na Umbanda Sagrada – nossa maior referência – as Sete Linhas de Umbanda possuem (para facilitar o culto) dois orixás polarizados em cada linha. Logo, Ogum atua no campo dos outros 13 (treze) orixás, além da atuação originária em sua própria vibração – a vibração divina da Lei e da Ordem.

ALGUMAS LENDAS SOBRE OGUM
 
PRIMEIRA LENDA

Ogum era filho predileto de Orunmilá, e essa preferência devia-se à sua abnegação. Quando o Deus Supremo estava construindo o mundo, esparramando a terra com sua espada de cristal para formar os continentes, a mesma partiu-se. O Deus do Ferro foi chamado e continuou o trabalho com sua espada.

A primeira cidade que Ogum construiu foi Ifé, deixando seu filho na chefia do governo; em seguida, partiu para fundar outras. Muito tempo depois, ele retornou e, tendo a impressão de que ninguém o havia reconhecido, tornou-se colérico. Naquele dia, por fatal coincidência, acontecia uma cerimônia na qual não era permitido falar, e isto teria causado a Ogum a impressão de que o estavam desprezando (outra lenda afirma que ele não teria reconhecido a cidade que fundara, tratando a população como inimiga).

Por isso, enfurecido, Ogum foi dizimando a todos. Mais tarde, quando seu filho conseguiu falar com ele, percebeu o erro que cometera, mas já era tarde demais. O guerreiro ficou tão arrependido que preferiu morrer. Assim, ele baixou sua espada em direção ao chão e, da mesma maneira que a utilizara para destruir seus inimigos, com um gesto violento, abriu um buraco e afundou terra adentro.
Esta emoção, somada à força do guerreiro, transformaram-no em um orixá.
 
SEGUNDA LENDA

Ogum tem estreita relação com o número sete, o que é explicado por duas lendas iorubanas. Na primeira, ele aparece como o guerreiro - filho de Odudua, rei de Ifé - que conquista a cidade de Irê e assume o título de Oni (senhor ou rei). Em torno de Irê havia sete aldeias, hoje desaparecidas. Por essa razão, acreditava-se que Ogum fosse composto por sete partes, uma para cada aldeia conquistada. Em iorubano, sete é mejê, de onde resultou a expressão Ogum Mejê (O Ogum que são sete, ou o Ogum composto de sete partes). É a ele, portanto, que o ponto é dedicado.
 
TERCEIRA LENDA

A outra lenda que associa Ogum com o número sete fala do casamento entre Ogum e Oyá. Ogum tinha uma vara mágica, feita de ferro (metal que lhe está associado), que tinha a propriedade de dividir em sete partes os homens e em nove partes as mulheres que tocasse. Em sua oficina de ferreiro, Ogum confeccionou uma vara igual e deu-a de presente a Oyá. Algum tempo depois, porém, Oyá fugiu com Xangô e foi perseguida pelo furioso marido traído. Quando se encontraram, entraram em combate com suas varas mágicas, dividindo-se Ogum em sete parte e Oyá em nove. Por isso ela é chamada de Iansã, termo composto de duas palavras iorubanas: Iá ou Inhá (mãe) e messan (nove). 
 
 
OGUM NA UMBANDA SAGRADA: O TRONO MASCULINO EÓLICO OU DA LEI
 
O orixá Ogum na Umbanda Sagrada é o senhor da Ordem e da Lei, aquele que estava no princípio da criação com Olorum ordenando o universo, suas leis e princípios. Ogum está assentado na quinta linha de Umbanda, que é a Linha Eólica ou da Lei, e é o ordenador dos demais sentidos da vida nos seres criador pela vontade divina. Ogum ordena a Fé, o Amor, o Conhecimento, a Justiça, a Lei, a Evolução e a Geração.
 
Ogum é orixá universal, passivo e irradiador da vibração divina da Ordem e da Lei, e a está constantemente emanando a criação divina e aos seus seres, propiciando a estes um caminho de retidão, o que irremediavelmente conduzirá os regidos por Ogum a evolução e ao aperfeiçoamento espiritual. Ogum é o comandante das milícias celestiais, dos exércitos e guerreiros espirituais que pelejam em favor de todo aquele que evoca a força de Ogum para vencer as negatividades que o cercam e o tomam.
 
Ogum é muito evocado para abrir os caminhos dos consulentes, pois detém o poder e a força espiritual para conceder a quem lhe pede saídas para as mais diversas dificuldades. Também se evoca muito Ogum para o combate as forças do baixo astral, por ser um orixá viril, forte e contundente, que não admite ação injusta e prejudicial aos seres criados por Olorum, que padecem, muitas das vezes, pelo mero desejo que as forças negativas espirituais têm de prejudicar,  e em vários casos, sem nenhuma razão. Ogum dissipa todos os inimigos, especialmente os que habitam dentro de nós, em nosso próprio descontrole.
 
ARQUETIPO DOS FILHOS (AS) DE OGUM
 
No Positivo:
 
Líderes natos
Determinados
Comunicativos
Honestos
Fiéis
Justos
Pró-Ativos
Alegres
Apreciam boa música
Amigos verdadeiros
Sexualidade passional e intensa
Etc.
 
No Negativo:
 
Ciumentos
Possessivos
Soberbos
Não aceitam ser governados (tem problema com hierarquia)
Agressivos
Emocionais ao extremo (faz primeiro e pensa depois)
Infiéis
Briguentos
Frios
Arrogantes
Etc.
 
 
Obs. A depender da localização de Ogum na coroa mediúnica do médium (de frente, adjunto/auxiliar ou ancestre) as qualidades de Ogum podem sofrer algumas variações.
 
INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE OGUM
 
Saudação: Ogunhê (significa: “Olá, Ogum”)
 
Cor: Azul Escuro (cor do metal aquecido) ou Vermelho
 
Elemento: Eólico e Igneo
 
Ponto de Força: Estradas de Ferro ou Rodovias
 
Sincretismo: São Jorge (mais comum)
 
Data Comemorativa: 23/04 (em nossa Casa)
 
Dia da Semana: Terça-Feira
 
Instrumento: Espada de Ferro
 
 
A NECESSIDADE DE UM (A) FILHO (A) DE OGUM
 
Ogum, ao receber um filho nessa encarnação, vem ensiná-lo a lidar com seu ego, a
valorizar mais as qualidades alheias (olhando menos para as limitações), a ser um líder justo e um amante cuidadoso; a cuidar de sua aparência, sem se tornar vaidoso; a defender aqueles que estão abaixo dele e lutar pelas causas certas, sendo menos impulsivo e aprendendo a pensar antes de reagir às situações. Devem tomar cuidado com a intolerância e a presunção. Precisam trabalhar a humildade e a paciência.
 
Dúvidas e Perguntas:
E-mail: jaderoliveira.j@hotmail.com

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Oca do Cacique Beira Mar Templo Escola de Umbanda
Enviado por Oca do Cacique Beira Mar Templo Escola de Umbanda em 21/07/2017
Alterado em 24/07/2017

Música: Ogum não devia Beber Ogum não devia Fumar - Desconhecido

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

"Deus não só faz  Justiça, Deus é a Própria Justiça". (Baiano Zé do Coco)





"A melhor firmeza é a do coração". (Caboclo Beira Mar)





"Quando a vida está ruim, o Rosário é um simbolo que nos indica como buscar ajuda" (Pai Antonio de Angola).





"Quem vive com Ogum, Ogum não abandona nem após morte". (Marinheiro Martim Pescador).






"Não são os encarnados, filhos de santo, falhos, pequenos, errantes por natureza que dirão se uma entidade é ou não de luz, mas a própria entidade com suas obras de caridade." (Baiano Zé do Coco)